23º Encontro Nacional de Recreação e Lazer – ENAREL (Brasil)

 

Histórico e Tema

O Encontro Nacional de Recreação e Lazer – ENAREL – teve início em 1989 em Brasília, com a discussão do tema “Lazer e Recreação: melhoria da qualidade de vida”. Desde então, foram realizados vinte e dois Encontros, com temáticas diversificadas e em várias cidades do Brasil.

O ENAREL pode ser considerado hoje um evento consolidado que reúne profissionais do mercado, empreendedores, gestores públicos, recreadores, professores e alunos dos mais variados cursos como turismo, educação física, pedagogia, artes, psicologia, hotelaria, eventos, entre outros.

Segundo a organização do 22° ENAREL, realizado em Atibaia, cujo tema foi “Lazer e Hospitalidade”, o evento contou com a participação de todas as regiões do Brasil; o que proporcionou um panorama de discussões muito diversificado. A realização do 23° ENAREL pretende dar continuidade a este formato. A organização do evento será realizada por docentes universitários e uma empresa privada organizadora de eventos, apoiados pela Prefeitura de Avaré e Ministério dos Esportes.

A realização do 23° ENAREL dentro de um Eco Resort pretende ser um diferencial, pois além de toda a programação científica, o evento irá otimizar o tempo para a troca de experiências entre profissionais e acadêmicos que passarão quatro dias convivendo no mesmo espaço.

Desta vez, a discussão do ENAREL está focada no tema “Lazer e Sustentabilidade”. Busca-se por meio da temática proposta para este ano, ampliar o debate em torno da idéia de sustentabilidade na medida em que torna-se fundamental à sociedade contemporânea a resolução sustentável em todos os campos da experiência humana. E no lazer não deveria ser diferente.

Aliás, podemos até mesmo afirmar que este evento pode significar um bom motivo para que a comunidade profissional e acadêmica brasileira dedicada aos estudos do lazer possa se debruçar sobre a sustentabilidade do próprio ENAREL. Daí a necessidade de mantermos como um dos objetivos do encontro a formação de uma comissão consultora que seria um embrião de uma possível Associação Nacional de Lazer que, dentre outras atividades, poderia ser a instituição organizadora do Encontro, de forma a preservar sua história e memória.

Como se pode notar, a questão da sustentabilidade hoje deixa de se restringir à esfera da natureza (ou dos recursos naturais) e alcança também temas como saúde, habitação e educação. Contudo, aqueles que procuraram definir ou conceituar o “Desenvolvimento Sustentável”, tal como o próprio Relatório Brundtland, ficaram em abordagens genéricas, superficiais, de difícil entendimento pelas distintas sociedades ao redor do planeta.

Diante da complexidade desta temática, novas discussões apontam a necessidade de se trabalhar com a idéia de princípios ou dimensões para se alcançar a sustentabilidade ao invés de querer conceituá-la. Ignacy Sachs, um dos ideólogos da sustentabilidade, aponta que a sustentabilidade apresenta oito dimensões: ambiental, natural, cultural, social, econômica, territorial, de política nacional e de política internacional. Cabe, portanto, às pessoas avaliarem seus projetos e atividades verificando como essas oito dimensões são tratadas, o que deve ser feito de uma maneira integrada e não excludente. Todas devem estar interligadas na busca da sustentabilidade da atividade.

É com base nesse “estado da arte” sobre sustentabilidade que o 23°ENAREL foi pensado. Embora em alguns encontros anteriores essa temática tenha sido tratada, os debates sobre a sustentabilidade das atividades de lazer são embrionários. Há pouquíssimo material produzido por especialistas nessa temática e esta discussão não é tratada com a devida importância por profissionais da área do lazer. Nesse sentido, um espaço como o ENAREL é extremante propício para incitar essas discussões.

Assim, embora se possa admitir que a idéia geral de “sustentabilidade” pareça estar profundamente desgastada e usada para os mais diferentes fins – nem sempre muito nobres – torna-se necessário resgatar o conceito de que o ser humano, devido ao estágio de conhecimentos científico-tecnológicos de que dispõe, pode encontrar saídas para os impasses ambientais, socioculturais, políticos e econômicos, contribuindo para a construção de uma sociedade sustentável por meio dos mais variados processos de desenvolvimento. Nesse sentido, como profissionais e acadêmicos do campo dos estudos do lazer, qual seria a nossa contribuição na construção deste novo tipo de sociedade? E qual o papel do lazer nesse processo de desenvolvimento social? São questionamentos pertinentes e que merecem ao menos a busca de respostas.

mais pormenores em  http://www.enarel2011.com.br