“Plano de Activação ou Abertura, como fase a considerar no planeamento e organização de uma Instalação Desportiva”

2º CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE INSTALAÇÕES ESPORTIVAS E RECREATIVAS

19 a 22 de Outubro 2010

SESI- S.PAULO Brasil

(capítulo de introdução da nossa comunicação):

-Introdução

“PLANEAMENTO: Processo pelo qual os gestores analisam o seu envolvimento externo e interno, formulam perguntas fundamentais sobre a razão de ser da sua organização e expressam a sua finalidade, as suas metas e os seus objectivos” Ivancevich, J; Lorenzi, P; e Skinner, S. – 1987

No âmbito do presente congresso, cabe-nos reflectir sobre os processos de planeamento e gestão (administração) das organizações desportivas. Escolhemos precisamente centrar-nos na importância organizativa que se focalize no contexto interno de uma instalação desportiva. Sendo uma instalação desportiva uma estrutura física e funcional, alvo anterior de um processo de planificação e projecção, decorrentes dos objectivos da organização sua titular, o seu funcionamento quotidiano, exige por si só a implementação de planos de gestão e organização próprios. Sem esta planificação e a sua correcta implementação, as instalações desportivas correm o risco de não cumprirem correctamente as finalidades da sua criação. Não só porque não justificam a sua função social, desportiva ou económica, assim como poderão muito rapidamente tornar-se alvo de degradação funcional, traduzindo-se na falta de sustentabilidade do seu funcionamento.

“A gestão de um equipamento tem que ser o resultado de um processo de planificação que começa com o estudo de viabilidade prévio e que continua com o projecto de gestão. Estando o equipamento ou instalação construído, deve concretizar-se o plano de gestão que coincida com a exploração plena da mesma.”

Infelizmente verificamos inúmeros exemplos de uma grande concentração de energias e interesses no seu processo de programação e construção, descurando a mesma intensidade de recursos, atenção ou concentração de meios, na qualidade da sua estrutura organizativa quotidiana. Igualmente verificamos amiúde, uma incorrecta projecção dos custos e possibilidades de rentabilização anteriores ao seu funcionamento. O estudo da sua viabilidade é muitas vezes centralizado nos custos de construção e financiamento, descurando um estudo realista dos custos de gestão do seu funcionamento futuro. Neste sentido deve ser incluída a estrutura organizativa que irá dinamizar o seu funcionamento.

Simplificação de questões na Análise Prévia à Viabilidade
  1. O que necessito e posso fazer?
  2. Quanto me vai custar em cada momento?
  3. Como tenho de o fazer? -minimizando custos; -optimizando recursos; -optimizando serviços;
  4. Que rendimentos espero obter?
  5. Que custos estamos dispostos a assumir?

 

Entre outras uma das mais importantes decisões na hora de analisar o funcionamento e gestão quotidiana das instalações, prende-se com a escolha do modelo de gestão e organização interna da própria instalação. Sabemos também por experiência que muitas vezes essas decisões são tomadas muito tardiamente prejudicando a projecção da gestão, especialmente no sector público. A análise do estudo de viabilidade efectuado anteriormente deveria já prever qual o modelo de gestão a adoptar: Gestão Directa do titular, Gestão Indirecta ou gestão mista, por outras entidades? Considerando a necessidade de projectar e rentabilizar os investimentos necessários, decidir sobre o modelo de gestão é fundamental pelo tipo de decisões que cada entidade poderá tomar, segundo as perspectivas de rentabilidade social, económica, ou desportiva que vier a privilegiar.

SectorAssociativo SectorPrivado Comercial SectorPúblico
-Estratégia de Curto Prazo;-Poucos Conhecimentos e Capacidades; -Busca do lucro, maximizando investimentos; -Variabilidade nos modelos de gestão;
VOCAÇÃO RENTABILIDADEDESPORTIVA VOCAÇÃO RENTABILIDADEECONÓMICA VOCAÇÃO RENTABILIDADESOCIAL

 

 

-O Planeamento e programação de uma nova instalação, deverá passar a dar a maior importância ao chamado PLANO DE ACTIVAÇÂO ou ABERTURA

(…)